Menu Fechar

Votos temporários nas Irmãs de São Francisco de Sales

Cresceu o número de religiosas Salésias em Angola, com a profissão de duas noviças. A cerimónia de profissão religiosa aconteceu sábado dia 22 de Janeiro de 2022, na Paróquia Nossa Senhora da Boa Nova, Diocese de Viana.
Presidiu a missa Dom Emílio Sumbelelo, Bispo da Diocese. Uma cerimónia que foi presenciado por sacerdotes, religiosas Salésias, religiosos de diversas congregações, familiares e membros da comunidade paroquial.
As noviças que emitiram os primeiros votos são: Ana Florença Tchilombo e Domingas Francisco Fernando José.
A primeira é natural da Cassipera, município da Ganda, Diocese de Benguela. Ingressou na Congregação das Irmãs de São Francisco de Sales (Salésias) aos 8 de Fevereiro de 2014.
A segunda é natural de Malange, Arquidiocese com o mesmo nome. Ingressou na Congregação das Salésias a 1 de Fevereiro de 2012.
As duas jovens religiosas começaram o noviciado a 24 de Janeiro de 2020. Depois de dois anos de formação, disseram sim aos três votos: Castidade, Pobreza e Obediência, na presença da Delegada da Congregação em Angola e na presença de todos os que se deslocaram à Paróquia Nossa Senhora da Boa Nova, no Sábado 22 de Janeiro.
Na homilia, Dom Emílio Sumbelelo lembrou as professandas, que o acto que estavam prestes a realizar ia “além de uma simples consagração”.
“Cada uma de vós através da profissão dos Conselhos Evangélicos, professa publicamente pôr de lados os seus próprios interesses e fazer tudo para se tornar em vasos de barro, que deixa transparecer o tesouro que cada uma de vós se guarda. Os votos que ides daqui a pouco professar, pressupõem conhecimento, análise, escolha deliberada e um acto livre de vontade, o que permite a religiosa amando e procurando acima de tudo Deus que tomou a iniciativa, amando cada uma de vós em primeiro lugar. E, por conseguinte, procurando desenvolver em cada circunstância concreta a vida escondida com Cristo em Deus”.
A seguir, falando como um autêntico pai, acrescentou: “Dilectas filhas, Ana e Domingas, antes de mais deveis ter bem presente que a Vocação e os Conselhos Evangélicos são um Dom de Deus e, como tal, ao próprio Deus deveis suplicar com toda a humildade, com toda a humildade, diante dele todos os dias, a Graça da perseverança na Vocação e a fidelidade aos Conselhos Evangélicos. O dom se recebe e, se pede, depois a graça da perseverança e da fidelidade”.
Depois de ter falado da importância da oração como elemento fundamental na vida da religiosa e na acção de preservar intacto o vaso de barro, Dom Emílio fez questão de chamar a atenção para o perigo do activismo. “Minhas filhas, cuidado com a tentação de deixar-se levar pelo activismo e pondo em segundo plano a vossa vida de oração. Hoje mais do que ontem, por razões várias, as justificações de pôr de parte a oração são muitas nas nossas comunidades, são muitas na vida dos consagrados. Os primeiros sinais de perigo estão precisamente quando nós começamos a esfriar na nossa vida de oração. Ali começa a derrocada. Talvez não nos damos conta, nos primeiros anos, mas com o tempo sim. Ficamos vazios”.
Um outro contributo capaz de ajudar a preservar o vaso de barro é a vida comunitária e o apoio que ela proporciona. “É a vida comunitária que vos vai ajudar também a manter incólume esse vaso de barro. Quando começamos a nos separar da comunidade, quando começamos a não rezar com a comunidade, quando começamos a não fazer refeições em conjunto, quando começamos a não fazer recreio comunitários, o perigo está a espreita”.
Com estas e outras palavras semelhantes, o Bispo da Diocese de Viana, falou aos coraração das novas religiosas, bem como aos presentes a cerimónia.
A Congregação das Irmãs de São Francisco de Sales nasceu em Battaglia Terme – Padova – Itália, em Fevereiro de 1703. Tem presença, além da Itália, no Equador, na Argentina, no Brasil, no Perú, em Angola e em Cuba.
Em Angola, as Irmãs estão presentes em duas Arquidioceses (Luanda e Huambo) e em três Dioceses (Viana, Uíge e Kwanza Norte). Com as duas novas irmãs o número das Salésias residentes em Angola sobe para 32 religiosas.

Sammy de Jesus

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *