Menu Fechar

Dom Sumbelelo: Vamos continuar a rezar todos os dias pela paz naquela região

O pedido do Santo Padre a cada Bispo, para que se juntasse a ele para o acto de Consagração da Rússia e da Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria, teve reposta afirmativa da parte de cada um deles.
No dia 25 de Março de 2022, dia em que a Igreja celebrou a Solenidade da Anunciação do Senhor, na catedral da Diocese de Viana, o Bispo da Diocese, às 17.00 horas ajoelhou-se diante da imagem da virgem, para recitar a oração de Consagração.
Fiéis ali reunidos, acompanhavam com atenção e silêncio, em atitude de recolhimento. Olhos suplicantes de filhos, postos nos olhos da Virgem, Mãe, Senhora da Paz.
Depois do acto de consagração, tal como antes dele, entoaram-se cânticos.
Durante a homilia da missa que se seguiu, Dom Emílio Sumbelelo fez referência a esse momento. “Meus irmãos e minhas irmãs, começamos a nossa celebração com o acto da Consagração ao Coração Imaculado de Maria da duas nações, da Rússia e da Ucrânia”.
O Bispo da Diocese de Viana que acompanha a situação de guerra na Ucrânia, reconhece, “estamos a chegar a um ponto sem retorno”. A seguir acrescenta: “os entendidos em geopolítica dizem que o ponto sem retorno é aquela situação que já não se pode voltar atrás”.
Os factos dos últimos dias indicam que se está a aproximar desse momento “em que se pode perder tudo”.
A situação “catastrófica” a que se assiste desde o início do conflito, com destruições a apontar para o imprevisível, Dom Emílio Sumbelelo fez um apelo a oração. “Como mulheres e homens de fé, sabemos que lá onde a inteligência humana já não pode, pode sim a intervenção divina, pode sim a mão de Deus”.
Depois de ter feito referência às duas grandes guerras e o resultado a que se chegou, com cada uma delas, mostrou-se temeroso em relação a uma terceira guerra mundial, olhando para o tipo de armamento que hoje se armazena.
“Sabemos todos nós que com a guerra se perde tudo”. Uma referência a experiência de guerra vivida em Angola e as consequências dela advinda.
Compreendendo a situação na qual vivem a Ucrânia e a Rússia, “vamos continuar a pedir todos os dias, a Deus, que nos dê a paz. Que dê a paz aquelas duas nações, a Rússia e a Ucrânia”.
Na Diocese de Viana, o acto de consagração foi feito em todas as Paróquias, Centros Pastorais, no Santuário da Muxima e em todas as Comunidades Religiosas. O convite havia sido feito em nota lida durante a missa que marcou o encerramento da Assembleia Sinodal Diocesana, no passado domingo.
O guerra na Ucrânia começou a 24 de fevereiro e até hoje já causou, entre a população civil, pelo menos 1.081 mortos, incluindo 93 crianças, e 1.707 feridos, entre os quais 120 são menores, e provocou a fuga de mais 10 milhões de pessoas, das quais 3,7 milhões foram para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

Sammy de Jesus

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *